Resultados do Grupo NOVO BANCO no 1º Semestre de 2017

NOVO BANCO reduz prejuízo em 19,9%. Resultados operacionais crescem 20,5%

O Grupo NOVO BANCO obteve um resultado negativo em 290,3M€ no 1º semestre de 2017, que compara favoravelmente com o prejuízo de 362,6M€ registado até junho de 2016, tendo em conta o ainda elevado nível de provisionamento.

No entanto, o resultado operacional (antes de imparidades e impostos) foi positivo em 171,5M€ (+20,5% que no 1º semestre de 2016), demonstrativo da capacidade de geração de resultados por parte do Grupo NOVO BANCO.

Segundo António Ramalho, CEO do NOVO BANCO, “estes resultados evidenciam o enorme esforço de reestruturação do banco, quer no aumento dos resultados operacionais, quer na redução continuada de custos”.

Os custos operativos situaram-se em 265,2M€, evidenciando um decréscimo de 39,0M€ (-12,8%) face ao período homólogo do ano anterior, confirmando a tendência de redução que se tem verificado desde a criação do NOVO BANCO.

O montante afeto a provisões, no valor de 413,1M€, regista uma redução de 163,6M€ em relação ao período homólogo (28,4%). No decorrer deste semestre foi constituída uma provisão para reestruturação (39,1M€) e para atividades em descontinuação (40,0M€). As imparidades para crédito no valor de 258,3M€ mantêmum nível elevado e semelhante ao semestre homólogo (junho 2016: 282,4M€).

O crédito a clientes totalizou 32,2mM€ tendo registado, neste trimestre, uma redução de 1,3mM€ no âmbito do processo de desalavancagem em curso; os depósitos de clientes (25,4mM€) ficaram acima do registado no primeiro trimestre de 2017 (+0,2 mM€), com o rácio de transformação a evoluir favoravelmente para 106% (dez-16: 110%).

O rácio de capital regulamentar Common Equity Tier 1 (CET1), estimado para 30 de junho de 2017, fixou-se em 10,8%.

De salientar a expressiva redução do crédito non performing que passou de 11,3mM€ em dezembro de 2016 para 10,4mM€ em junho de 2017 (redução de 0,9mM€), com o respetivo rácio de cobertura a atingir 50% (dez-16:48%). A sinistralidade apresenta uma melhoria de 130pb situando-se em 32,1%.

 

NOVO BANCO lança Micro Cartão de débito Contactless pioneiro em Portugal

O NOVO BANCO lança hoje, dia 21de julho, o NB Micro Cartão Contactless, um cartão de débito único em Portugal. Este Micro Cartão pode ser colado no telemóvel ou em qualquer outro objeto que ande sempre com a pessoa e permite fazer pagamentos no mundo inteiro com um simples toque num TPA.

Este é o primeiro lançamento em Portugal deste tipo de cartão e uma clara aposta numa tendência internacional dos meios de pagamento de estarem presentes não apenas nas carteiras das pessoas mas também noutros elementos “wearables” (telemóveis, porta-chaves, pulseiras) do dia-a-dia.

O NB Micro Cartão Contactless transforma o objeto onde for colado num cartão de débito. Com a mesma segurança dos cartões bancários tradicionais que têm tecnologia contactless, permite fazer tanto pequenas como grandes compras.

Para pagar uma compra, basta “tocar” com o NB Micro Cartão Contactless num TPA (terminal de pagamento automático) com tecnologia contactless. A compra é confirmada com um som ou um sinal. E se a compra for superior a 20€ ou quando nesse dia fizer compras superiores a 80€, para maior segurança é solicitado o PIN para confirmar a mesma.

A tecnologia contactless está muito espalhada na Europa e, em Portugal, está já disponível em mais de 45.000 terminais. As pessoas passam assim a poder ir ao supermercado, ao restaurante, tomar uma bebida, comprar um livro…apenas com o seu telemóvel. Muito prático, com este micro cartão do NOVO BANCO a compra leva menos tempo e o cartão nunca sai da mão do cliente.

O NB Micro Cartão Contactless é totalmente compatível com todos os TPAs com funcionalidade contactless que aceitem a marca VISA e possui as mesmas características de segurança dos restantes cartões contactless. Graças à tecnologia do chip EMV presente neste micro cartão, todas as compras são encriptadas.

Com o lançamento, numa primeira fase, de 50.000 micro cartões, o NOVO BANCO coloca-se, uma vez mais, na linha da frente da inovação em meios de pagamento em Portugal.

Com o NB Micro Cartão Contactless, disponível em qualquer balcão do NOVO BANCO, já pode ir à praia, fazer jogging ou mesmo passear o cão sem ter de se preocupar em levar a carteira.

Campanha de serviços de quotidiano

O lançamento do NB Micro Cartão Contactless irá ser acompanhado por uma campanha de publicidade de produtos e serviços de quotidiano.

Desde o NB Micro Cartão Contactless, com o qual pode ir às compras sem levar a carteira, ao Cartão Branco, o único cartão de crédito com 0% de juros. Não esquecendo a NB smart app, com entrada por impressão digital onde pode fazer os seus movimentos habituais com muito menos cliques. Ou o Orçamento Familiar, que organiza automaticamente todas as suas despesas no NBnet.

E, para fazer face a imprevistos, o Crédito Ordenado, que pode pedir online ou o Cash Advance, também disponível online, com adiantamento do limite de crédito disponível no seu cartão para a sua conta à ordem.

Com o claim: Um banco que faz o seu dia-a-dia render? Isto é novo. É NOVO BANCO, a campanha, desenvolvida pela BBDO, é lançada também hoje, 21 de julho, e estará presente em todas as agências do NOVO BANCO, na rádio e em digital.

 

Selecionados os quatro finalistas ao prémio NOVO BANCO Revelação 2017

Os finalistas da edição de 2017 do prémio NOVO BANCO Revelação já estão escolhidos. O júri, presidido por João Ribas, Diretor Adjunto e Curador Sénior do Museu de Serralves e constituído por Andrea Lissoni, curador de vídeo e fotografia da Tate Modern, em Londres; Alessio Antoniolli, director da Gasworks & TriangleNetwork, Londres; Ricardo Nicolau, adjunto da direção do Museu de Serralves e Filipa Loureiro, curadora do Museu de Serralves, decidiu por unanimidade selecionar os projetos dos artistas Tiago Madaleno, Henrique Loja, Diogo Bolota e Ana Barata Martins como finalistas do prémio.

Será publicado em julho um catálogo que apresenta o trabalho destes quatro finalistas que, além de imagens que documentam os projetos, inclui ainda entrevistas aos artistas conduzidas por Ricardo Nicolau.

Ainda durante o mês de julho, o júri reunirá pela segunda vez, agora com a presença dos quatro artistas selecionados, para a apresentação dos projetos que pretendem desenvolver.

Após esta reunião, o júri decidirá sobre o grande vencedor da edição de 2017 do prémio NOVO BANCO Revelação, a quem será atribuída uma bolsa de produção para que concretize o projeto pelo qual foi inicialmente selecionado. Este projeto será apresentado numa exposição individual, a inaugurar em outubro no Museu de Arte Contemporânea de Serralves.

O prémio NOVO BANCO REVELAÇÃO é uma iniciativa do NOVO BANCO em parceria com a Fundação de Serralves, que já distinguiu 39 artistas e tem como objetivo incentivar a produção e criação artística de jovens talentos portugueses, até 30 anos, tendo por base uma lógica de divulgação, lançamento e apoio a todos os artistas que recorram ao meio da fotografia.

Sobre os projetos dos artistas selecionados

Com o projeto Clepsidra, uma narrativa em forma de performance, Tiago Madaleno propõe-se refletir acerca da relação entre a fotografia e a temporalidade invocando a presença do corpo no processo de produção das imagens. Recorrendo a uma instalação com diversos dispositivos que exploram o uso desviado do vocabulário fotográfico, o projeto questiona as condições de visibilidade da fotografia, nomeadamente os processos utilizados para a produzir e o recurso ao índice como ferramenta de trabalho.

Henrique Loja propõe-se apresentar um conjunto de chapas fotográficas impressas em grande formato, sob o título Aeroponic / Air Works,nas quais irá simular uma ficção, onde a película fotográfica se propaga como um aparelho de monitorização da qualidade do Ar. Neste projeto, o artista trabalha meticulosamente os processos de transposição da imagem entre os meios analógicos e digitais.

Diogo Bolota, com o projeto Relance, convoca o confronto entre objetos, questionando a função habitual destes e a estranheza que resulta da sua fusão com um outro. À semelhança de uma imagem fotográfica, que frequentemente traduz diferentes realidades, nesta junção de objetos criam-se novos sentidos, a partir de um contexto familiar, alterando-se a sua perceção através da criação de pasmo.

Ana Barata Martins trabalha essencialmente com filme ensaístico, fotografia, escultura e texto. Concorreu ao prémio com um projeto onde se propõe explorar os diferentes aspetos estéticos das tipologias do vernáculo arquitetónico contemporâneo português, procurando compreender os seus elementos, composição e influências.

Os quatro artistas finalistas ao Prémio deste ano utilizam o suporte fotográfico para o interrogar nos seus sentidos e possibilidades na arte contemporânea.

 

NB smart app ultrapassa os 200.000 clientes frequentes e lidera na satisfação nas Apps Stores

Os Clientes do NOVO BANCO utilizam cada vez mais o seu smartphone na sua relação quotidiana, dando preferência à NB smart app para o acesso e movimentação das suas contas e compra de produtos financeiros.

Recentemente o número de utilizadores frequentes da NB smart app, ultrapassou a marca dos 200.000, com um crescimento de 87% face ao final de 2015 e de 17% desde o início do ano. Sintoma desta crescente preferência é também o facto de, pela primeira vez, os acessos quotidianos dos Clientes particulares através do mobile terem ultrapassado os do homebanking PC, o que se traduz também numa média de 16 acessos por utilizador por mês via NB smart app (mais 8 do que no PC).

Esta forte mudança de comportamento só é possível devido à elevada qualidade da aplicação, que lidera as avaliações dos utilizadores nas lojas de aplicações, nomeadamente quando comparada com as aplicações dos principais bancos do panorama nacional. Na loja de aplicações da Apple, onde estão disponíveis as aplicações para os smartphones iPhone, a NB smart app recolhe uma avaliação média de 4,4 em 5 o que compara com os 3,5 do banco que recolhe a segunda avaliação média mais elevada.

Já na loja Google Play, onde estão disponíveis as aplicações para telemóveis com o sistema Android (Samsung, Huawey, LG, Sony, etc), a avaliação média da NB smart app situa-se nos 4,5, face aos 4,2 recolhidos pelo segundo banco mais bem classificado.

Esta qualidade sustenta-se num trabalho quotidiano de acompanhamento dos Clientes, de análise contínua da sua experiência de utilização, dando resposta imediata e eficaz a qualquer dificuldade manifestada.

Outro aspeto fundamental para esta qualidade percecionada, é a contínua inovação e introdução de melhorias à oferta disponibilizada no canal mobile. Destaque neste contexto para o acesso com impressão digital, disponível tanto para smartphones iPhone como para os de sistema Android, o lançamento de uma oferta de depósitos exclusiva para Clientes da NB smart app, com taxas mais favoráveis do que as disponíveis noutros canais do banco, e ainda opções de facilitação do dia-a-dia, como a certificação de carregamentos e transferências, para tornar mais expedito e simples o processo de submissão de operações.

Nos próximos meses outras soluções e inovações serão progressivamente introduzidas na NB smart app, sempre enfocadas nas necessidades e preferências dos seus Clientes e sempre garantindo uma utilização fácil e agradável, em qualquer local em que os Clientes do NOVO BANCO estejam, de modo a assegurar a sua máxima satisfação.

 

NOVO BANCO lança nova campanha de Crédito Habitação

O NOVO BANCO acaba de lançar uma nova campanha de Crédito Habitação. Esta campanha diferencia-se porque tem na sua génese o território natural do banco: o da qualidade e rapidez de serviço, aliadas a uma oferta ampla e diversificada.

A produção de Crédito Habitação no NOVO BANCO tem aumentado fortemente, nos últimos meses, acima da própria evolução do mercado e este crescimento deve-se sobretudo à capacidade do banco em prestar um serviço de excelência, algo que é comprovado pelos números dos inquéritos internos pós-experiência, que dizem que mais de 90% dos clientes que fizeram Crédito Habitação no NOVO BANCO ficaram satisfeitos ou muito satisfeitos com os vários aspetos do serviço.

Conceito da Campanha:

Da mesma forma que qualquer pessoa, antes de comprar casa nova, visita o andar modelo, o conceito da campanha desafia o cliente a visitar o Crédito Modelo do NOVO BANCO, até porque “tão importante como ver a casa é ver o crédito”.

E quando visita o Crédito Modelo do NOVO BANCO, o que é que o cliente vai encontrar? Vai encontrar um atendimento de excelência, com resposta ao pedido de crédito em 24h e vai encontrar um conjunto amplo de soluções, sejam de taxa fixa ou variável, com a possibilidade de alargar o montante de financiamento, baixando em simultâneo o spread.

É assim que nasce o conceito criativo da campanha: Visite o Crédito Modelo do NOVO BANCO – porque tão importante como ver a casa é ver o crédito.

A campanha foi desenvolvida pela BBDO e estará presente em rádio, digital, agências e site.

 

Atividade e resultados do grupo NOVO BANCO no 1º trimestre de 2017

Os resultados do Grupo NOVO BANCO, do 1º trimestre de 2017, refletem o esforço de consolidação operacional prosseguido desde o exercício de 2016, tendo o resultado líquido sido negativo em -130,9M€, o qual compara favoravelmente com o prejuízo de -249,4M€ registado em março de 2016.

O produto bancário comercial deduzido dos custos operativos situou-se em 59,6M€ representativo de um crescimento de 7,0% face ao valor do primeiro trimestre de 2016.

O produto bancário que se situou em 180,8M€ registou um decréscimo de 22,8% face ao período homólogo embora com o contributo positivo do comissionamento (+8,2%).

Os custos operativos situaram-se em 135,2M€, evidenciando uma redução de 20,0M€ (-12,9%) face ao período homólogo do ano anterior, confirmando a tendência de redução que se vem verificando desde a criação do NOVO BANCO.

O montante afeto a provisões, no valor de 137,4M€, representa uma redução de 210,8M€ em relação ao valor registado no primeiro trimestre de 2016 (-60,5%), o qual incluía 109,6M€ de provisões para reestruturação. As imparidades para crédito no valor de 119,3M€ comparam com 185,5M€ no trimestre homólogo (-35,7%).

O crédito a clientes registou, no primeiro trimestre de 2017, uma redução de 0,3mM€ em linha com o processo de desalavancagem ainda em curso.

Os depósitos de clientes totalizaram 25,2mM€, acima do valor apresentado no 1º trimestre de 2016 (25,1mM€).

O rácio de capital regulamentar Common Equity Tier 1 (CET1) estimado para 31 de março de 2017 fixou-se em 10,8% que compara com 12,0% em dezembro de 2016.

 

Atividade e resultados do Grupo NOVO BANCO em 2016

Os resultados do Grupo NOVO BANCO refletem o esforço de consolidação operacional prosseguido durante o exercício de 2016, tendo o resultado operacional atingido 386,6M€ (+209% do valor registado no período homólogo do ano anterior que ascendeu a 125,0M€) determinado pela melhoria do produto bancário e pela redução dos custos operativos.

O produto bancário situou-se em 977,5M€ (+11,1% face a 2015) para o qual contribuiu o comportamento do resultado financeiro (+14,2%) e dos resultados de operações financeiras (+25,2%).

Os custos operativos situaram-se em 590,9M€, evidenciando uma redução de 163,8M€ (-21,7%) face ao período homólogo do ano anterior. O comportamento dos custos operativos permitiu a melhoria expressiva do rácio de eficiência, com o Cost to Income a evoluir para 60,4% que compara favoravelmente com 85,8% em dezembro de 2015.

O montante afeto a provisões, no valor de 1374,7M€ representa um acréscimo de 316,8M€ em relação ao ano anterior. As imparidades incluem 672,6M€ para crédito, 315,9M€ para títulos e 98,2M€ para custos de reestruturação.

O elevado nível de provisionamento (1374,7M€) conduziu a um resultado líquido negativo de 788,3M€, o qual compara favoravelmente com o prejuízo de 929,5M€ em 2015.

Em linha com a prossecução do processo de desalavancagem do balanço, especialmente na carteira internacional, o crédito a clientes registou, no exercício de 2016, uma quebra de 3,7mM€ (parte importante relacionada com a transferência para ativos em descontinuação do BESV e do NB Ásia).

No último trimestre do ano o crédito a clientes reduziu-se em 0,4mM€, com o crédito à habitação e o outro crédito a particulares a manterem-se ao nível do registo no final do terceiro trimestre.

No quarto trimestre, os depósitos de clientes apresentaram um crescimento de 0,9mM€, em recuperação face à quebra verificada no início do ano. Ainda assim, o valor de 25,6mM€, registado em 31 de dezembro de 2016 representa uma redução de 1,8mM€ face ao período homólogo do ano anterior (evolução que não foi alheia à retransmissão de obrigações para o BES).

Os objetivos fixados no Plano de Reestruturação foram integralmente cumpridos. Assim, e relativamente a novembro de 2015 (data de referência para efeitos dos compromissos assumidos com a DG Comp no âmbito do Plano de Reestruturação), o número de colaboradores reduziu-se em 1312 (incluindo as atividades em descontinuação), face ao objetivo estabelecido de redução de 1000 a 31 de dezembro de 2016. A rede de distribuição evoluiu para 537 balcões (objetivo: 550 a 31 de dezembro de 2016) apresentando uma redução de 116 unidades. A redução dos custos operativos ultrapassou a meta estabelecida (-150M€ a 31 de dezembro de 2016).

No que se refere ao Side Bank, ou seja, os ativos não estratégicos do Grupo NOVO BANCO, o seu valor era de 8 737M€, líquido de provisões, em 31 de dezembro de 2016 (10 843M€ a 31 de dezembro de 2015).

O rácio de capital regulamentar Common Equity Tier 1 (CET1) estimado para 31 de dezembro de 2016 fixou-se em 12,0% que compara com 13,5% em dezembro de 2015, encontrando-se em linha com os principais bancos portugueses.

 

NOVO BANCO e Museu de Serralves lançam edição de 2017 do Prémio de Fotografia NOVO BANCO Revelação

O NOVO BANCO e o Museu de Serralves lançam a edição de 2017 do Prémio NOVO BANCO Revelação, que distingue jovens criadores portugueses no campo da fotografia contemporânea. Esta iniciativa premeia anualmente um grande vencedor, e atribui uma bolsa de produção no valor de 15.000 euros para a concretização do projeto escolhido, sendo o tema do projeto livre.

Um júri internacional, de composição diferente em todas as edições, seleciona numa primeira fase quatro projetos de entre as candidaturas recebidas. Os nomes dos quatro criadores serão divulgados em maio e publicados num catálogo que, para além de imagens que os documentam, inclui entrevistas feitas aos artistas.

Numa segunda fase, o júri elege como grande vencedor do prémio um destes quatro projetos. O vencedor, que será anunciado em meados de julho, recebe uma bolsa de produção e tem a oportunidade única de apresentar o seu trabalho numa exposição individual no Museu de Serralves, a inaugurar em novembro próximo.

Serão admitidos a concurso projetos de criadores de nacionalidade portuguesa, ou estrangeiros a residir em Portugal, com idade limite de 30 anos (à data de fecho das candidaturas, 30 de abril de 2017).

Ao apostar com o Museu de Serralves numa iniciativa que promove o surgimento de novos criadores, o NOVO BANCO reforça a sua estratégia de mecenato cultural na área da fotografia e, simultaneamente, intervém na comunidade através de formas inovadoras de dinamização da arte, nomeadamente no contexto dos jovens artistas contemporâneos portugueses.

 

NOVO BANCO lança novo programa de Igualdade de Género

No âmbito da política de Responsabilidade Social Empresarial e de Sustentabilidade, que
o NOVO BANCO denomina de política de dividendo social, a Comissão Executiva acaba de
lançar um novo programa de Igualdade de Género (#NB Equal Gender), pretendendo
desta forma assumir um papel de referência neste domínio.
Os compromissos agora assumidos no âmbito da igualdade de género vêm ao encontro
dos objetivos estratégicos do NOVO BANCO, que passam pela adoção das melhores
práticas na área da gestão do capital humano, no domínio da motivação e no
desenvolvimento e retenção de talentos. Também neste domínio se lançou o Programa
de Work & Life, programa de conciliação vida pessoal e profissional.
Atualmente, o NOVO BANCO já atingiu a paridade de género no número total de
colaboradores, verificando-se até uma superioridade numérica de colaboradoras
mulheres na faixa etária até aos 45 anos. Todavia verifica-se que o género feminino
mantém-se sub-representado em funções de desempenho de nível superior, tais como
quadros diretivos e funções de chefia (gerentes, chefes de serviço…), essa subrepresentação
verifica-se por apenas 31,8% dos quadros diretivos serem mulheres e esse
número descer para 34% ao nível das direções de primeira linha. Refira-se que nas chefias
abaixo de 40 anos as mulheres já ocupam 55% dos lugares.
O programa de aceleração NB Equal Gender visa garantir um maior equilíbrio em linha
com a base de clientes, o talento disponível e um princípio de meritocracia global.
O Novo Banco espera a breve trecho anunciar uma Comissão Executiva com dois
elementos femininos, num total de 7 elementos, o que representa um peso de 28% e que
acontecerá pela primeira vez na banca portuguesa.
Mas o programa apresenta objetivos concretos. Ao nível dos Quadros Diretivos, o
objetivo é passar o peso do género sub-representado dos atuais 32% para 40% em 2020.
Ao nível de Coordenação de Departamentos, 9 em 39 são hoje mulheres (23,6%) sendo o
objetivo aumentar para 33% a representatividade este nível, até 2020.
Por outro lado, foi também assumido o compromisso de redução do gap salarial,
pretendendo-se anular progressivamente as diferenças salariais que ainda existem entre
géneros em funções desempenho e /ou comparáveis, sendo o objetivo para 2020 um gap
salarial sempre inferior a 5%.

 

NOVO BANCO disponibiliza 300 M€ em nova linha de crédito FEI de apoio às PME inovadoras

O NOVO BANCO disponibiliza uma nova linha de crédito no valor de 300 milhões de euros
tendo por base o acordo celebrado com o Fundo Europeu de Investimento (FEI), que tem
como beneficiários Micro, Pequenas e Médias Empresas (PME), assim como empresas de
maior dimensão (empregando até 499 trabalhadores).

Esta transação beneficia do apoio financeiro da União Europeia através do Programa
Horizonte 2020 e do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE), criados no
âmbito do Plano de Investimento para a Europa. O FEIE visa apoiar o financiamento de
investimentos produtivos na União Europeia e assegurar um maior acesso a fontes de
financiamento.

Esta nova linha destina-se especificamente a empresas que pretendam financiamento para
apoiar as suas atividades ou projetos de investigação, desenvolvimento e inovação, até um
máximo de 7.5 milhões de euros, e conta com uma cobertura do FEI para 50% do risco de
crédito subjacente, sendo por isso muito relevante no apoio aos projetos aprovados nos
sistemas de incentivos à inovação produtiva e qualificação de PME no âmbito do Portugal
2020.

Com esta nova linha, o NOVO BANCO reforça a sua posição de liderança entre os bancos
portugueses no acesso a apoios do FEI destinados ao financiamento da economia
Portuguesa, alcançando um valor acumulado de 660 milhões de euros.

Este instrumento reveste-se de particular importância para o NOVO BANCO porque permite
o acesso das PME portuguesas a condições de financiamento mais favoráveis, promovendo
assim a criação de emprego e o crescimento da economia, e dando continuidade à estratégia
prosseguida pelo NOVO BANCO de permanente apoio ao tecido empresarial Português.

Trata-se da terceira transação do mesmo tipo assinada entre o NOVO BANCO e o FEI, depois
do sucesso alcançado com o lançamento, em outubro de 2013, da linha “Risk Sharing
Finance Facility” e, em julho de 2015, da linha “InnovFin SME Guarantee Facility”, através
das quais o NOVO BANCO facultou 360 milhões de Euros de financiamento a mais de 400
empresas inovadoras suas clientes.