Banco Finantia lucra € 19,4 milhões no primeiro semestre e regista Core Tier 1 de 23%

O lucro líquido consolidado do Banco Finantia (www.finantia.com) foi de €19,4 milhões no primeiro semestre de 2017, um aumento de 35% face aos €14,4 milhões do período homólogo no ano anterior.

O Banco reforçou a sua solidez financeira: o Common Equity Tier I (CETI) (fully loaded) registou 23%, um dos mais elevados da banca ibérica, um aumento face aos 21,7% do mesmo período de 2016.

O produto bancário, líquido de imparidades e provisões, aumentou para €36,4 milhões no primeiro semestre de 2017 face aos €29,4 milhões do mesmo período em 2016. Os custos operacionais situaram-se em €11,1 milhões, colocando o rácio (cost-to-income) em 30%, um dos mais eficientes entre os bancos europeus.

Os depósitos de clientes aumentaram para €816 milhões a 30 de junho, mais 18% que os €693 milhões registados na mesma data em 2016. Este valor confirma a estratégia de alargamento da base de clientes do Banco Finantia, quer em Portugal quer em Espanha, e o aumento do reconhecimento da sua Banca Privada.

Os ativos totais consolidados registaram a 30 de junho de 2017 o valor de €1.926 milhões, um ligeiro aumento face à data homóloga do ano anterior, enquanto a situação líquida é reforçada para €424 milhões.

O Banco Finantia prossegue a expansão da sua atividade operacional nas várias áreas em que opera: Banca Privada, Mercado de Capitais e Banca de Investimento.

Para apoio às suas atividades internacionais o Banco Finantia tem filiais em Espanha (Banco Finantia Sofinloc), no Reino Unido (Finantia UK), em Malta (Finantia Malta), nos Estados Unidos (Finantia USA) e no Brasil (Finantia Brasil).

 

Banco Finantia patrocinou Dia de Portugal em Madrid

O ministro português dos Negócios Estrangeiros, Santos Silva, foi o convidado de honra e orador do jantar que reuniu em Madrid mais de cem elementos do Forum dos Portugueses em Espanha para assinalar o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

No encontro, promovido pela subsidiária do Finantia em Espanha (Banco Finantia Sofinloc), Santos Silva fez uma longa intervenção sobre os principais temas da atualidade portuguesa, a nível interno e externo.

No tradicional jantar participou ainda o embaixador de Portugal em Madrid, Francisco Ribeiro de Menezes.
O Forum dos Portugueses é uma organização sem fins lucrativos que tem o objetivo de servir a comunidade portuguesa residente em Espanha, e sobre tudo em Madrid, e de abrir vias de intercâmbio cultural com o país que nos acolhe.

Com estes dois objectivos, o Forum organiza desde 1995 diferentes tipos de eventos, contribuindo para a aproximação, não só dos portugueses que vivem em Espanha, como dos dois países ibéricos.

 

Banco Finantia recebe reunião anual do GEB

Os responsáveis dos pequenos e médios bancos da Europa preconizaram no último fim-de-semana em Lisboa que as regras do setor bancário devem ser adaptadas à dimensão das instituições, respeitando o princípio da proporcionalidade.

Este foi um dos temas da reunião anual do GEB-Groupment Europèen de Banques, que este ano se realizou pela primeira vez em Portugal, tendo como anfitrião o Banco Finantia (www.finantia.com), que pertence àquele restrito conjunto de instituições.

O GEB é um grupo europeu de pequenos e médios bancos fundado em 1981, por sugestão da Comissão Europeia, focado na troca de informação da situação financeira e bancária e na situação regulatória.

Atualmente assume-se como um dos principais protagonistas na defesa do principio da proporcionalidade na aplicação da legislação no sector bancário em função da dimensão das diversas instituições.

Além do Banco Finantia, são também membros (um por país) reputadas instituições europeias, incluindo a Banca March (Espanha), Banca Sella (Itália), o Bankhaus Lampe (Alemanha), C. Hoare & Co. (Reino Unido) e o Banque Martin Maurel (França) que recentemente se fundiu com o Rotschild & Co.

Este encontro analisou o posicionamento de cada um dos seus membros face à evolução da União Bancária Europeia, tendo contado com uma apresentação detalhada sobre o tema, do Prof. Manuel Sebastião, membro do Conselho Estratégico Internacional do Banco Finantia.

 

BANCO FINANTIA AUMENTA LUCROS PARA € 30,7 MILHÕES

O Banco Finantia  registou um lucro líquido consolidado de €30,7 milhões em 2016, um aumento de 11% face aos € 27,6 milhões apurados no ano anterior.
O produto bancário, líquido de imparidades e provisões, subiu de €62,8 milhões em 2015 para €65,2 milhões em 2016. Os custos operacionais situaram-se em €22,6 milhões, colocando o rácio de eficiência (cost-to-income) em 28%, um dos melhores entre os bancos europeus.
Os depósitos de clientes aumentaram 9% face ao registado em 2015 (€679,6 milhões) para um total de €740,4 milhões, prosseguindo a estratégia de uma maior diversificação das fontes de financiamento.
Os ativos totais situaram-se em €1,8 mil milhões, um aumento de 2% face ao ano anterior, tendo o banco reforçado a sua solidez financeira: o rácio de capital (CET1) (Implementação Total) aumentou para 23,6% de 22,3% em 2015, um dos mais elevados do sector bancário na Europa.
O enfoque geográfico do Banco Finantia continua a ser Península Ibérica, América Latina e países da CEI (Comunidade de Estados Independentes). As suas principais unidades operacionais são um banco em Portugal, um banco em Espanha, broker dealers em Londres e Nova Iorque e escritórios em São Paulo e Malta.
Na atividade de Corporate & Investment Banking o Banco Finantia esteve durante 2016 envolvido em transações relevantes no mercado Português, destacando-se a aquisição da Tertir pelo Grupo Yildirim no maior investimento (cerca de €300 milhões) por uma empresa Turca em Portugal.
Na área de mercados de capitais o Banco realizou diversas operações de dívida de empresas alargando o número de emitentes de base nacional.

 

BANCO FINANTIA lucra € 14,4 milhões no primeiro semestre e regista Core Tier 1 de 21,7%

O Banco Finantia (www.finantia.com) obteve um lucro líquido consolidado de €14,4 milhões no primeiro semestre de 2016, um aumento de 23% face aos €11,7 milhões do período homólogo do ano anterior.
O Banco reforça a sua solidez financeira: o rácio Core Tier I (CETI) (fully loaded) registou 21,7 %, um dos mais elevados do sector, um aumento face ao período homólogo de 2015 em que este rácio se situava em 20,6%. Por outro lado e de acordo com o regime transitório das normas prudenciais de Basileia III, este rácio (CET1) foi de 21,1% e 19,1% respetivamente no final dos 1os semestres de 2016 e 2015.
Os depósitos de clientes atingiram €693 milhões, mais 9% que os €637 milhões registados no final do período homólogo de 2015. Este valor confirma a tendência positiva dos últimos exercícios, a estratégia de alargamento da base de clientes do Banco Finantia e o fortalecimento da presença da sua Banca Privada, quer em Portugal quer em Espanha.
Os ativos totais consolidados registaram o valor de €1830 milhões e a situação líquida cifrou-se em €378,1 milhões a 30 de Junho de 2016, ao mesmo nível da data homóloga do ano anterior. A 30 de Junho de 2016 o Banco Finantia não apresentava qualquer financiamento junto do Banco Central Europeu (€215 milhões em 30 de Junho de 2015).
O Banco Finantia prosseguiu a expansão da sua atividade operacional em diversas áreas mantendo o seu foco estratégico na Banca Privada, Mercado de Capitais e Banca de Investimento.
Para apoio às suas atividades internacionais o Banco Finantia tem filiais em Espanha (Banco Finantia Sofinloc), no Reino Unido (Finantia UK), nos Estados Unidos (Finantia USA), no Brasil (Finantia Brasil) e em Malta (Finantia Malta).

Lucros do Banco Finantia ultrapassam 27 milhões em 2015

O Banco Finantia  obteve um lucro líquido consolidado de 27,6 milhões de euros em 2015, mais do dobro dos 11,9 milhões registados no ano anterior, em larga medida graças à expansão das atividades de Private Banking e Corporate & Investment Banking.

De acordo com o relatório do exercício agora divulgado, os custos operacionais situaram-se em 24,8 milhões de euros (€23,0 em 2014), colocando o rácio de eficiência (cost-to-income) em 26%, um dos melhores entre os bancos europeus.

A solidez financeira, medida pelo rácio de capital (CET1) subiu de 18,0% para 22,6% em 2015, um dos mais elevados da banca em Portugal e na Europa.

Ao longo de 2015 o financiamento junto do Banco Central Europeu totalizou 73 milhões de euros, o que evidencia uma significativa redução de 74% em relação ao ano anterior.

Os depósitos de clientes subiram 13% face ao registado em 2014 para um total de €680 milhões, reforçando a estratégia de uma maior diversificação das suas fontes de financiamento.

O enfoque geográfico do Banco Finantia continua a ser Portugal, Espanha, Brasil e países da CEI (Comunidade de Estados Independentes). As suas principais unidades operacionais são um banco em Portugal, um banco em Espanha, broker dealers em Londres e Nova Iorque e um escritório de representação em São Paulo.

Na atividade de Corporate & Investment Banking o Banco Finantia esteve durante 2015 envolvido em importantes transações no mercado Português, destacando-se a assessoria financeira ao Grupo Yildirim na aquisição da Tertir (terminais portuários em Portugal, Espanha e no Peru) à Mota Engil e ao Novo Banco.

Na área de mercados de capitais realizou diversas operações de papel comercial e de empréstimos obrigacionistas para diversos emitentes de base nacional, colocando o Banco Finantia como um dos principais players na distribuição de dívida Corporate portuguesa a nível nacional e internacional.

 

Banco Finantia em 1º lugar em solidez financeira e rentabilidade

De acordo com o Ranking 2015 “Top 1000 World Banks” efetuado pela revista britânica The Banker, o Banco Finantia é, de entre os 11 maiores bancos a operar em Portugal e incluídos naquela lista, o que apresenta rácios mais elevados de solidez financeira e de rentabilidade (“Financial Soundness” e “Performance”).

É a segunda vez consecutiva que o Banco Finantia obtém este resultado no indicador solidez financeira, sendo que este ano conseguiu também um primeiro lugar nos indicadores de rentabilidade dos ativos e do capital (“Return on Assets” e ”Profits on Capital”).

O ranking dos Top 1000 bancos mundiais é baseado nos dados financeiros a 31 de dezembro de 2014. O estudo/ranking efetuado pela The Banker assentou em critérios objetivos, tendo sido utilizados vários indicadores: Dimensão, Solidez Financeira e Rentabilidade.

Fundada em 1926, a The Banker é a mais importante publicação do setor bancário, com uma distribuição alargada a mais de 180 países.

 

Banco Finantia aumenta lucros para 11,7 milhões no primeiro semestre e reforça rácios de capital

O Banco Finantia obteve um lucro líquido consolidado de EUR 11,7 milhões no 1º semestre de 2015, um aumento de 92% face aos EUR 6,1 milhões do período homólogo de 2014.

O Banco reforçou a sua solidez financeira: o Common Equity Tier 1 (CET1) aumentou para 19,1 %, um dos mais elevados do setor, tendo o rácio de solvabilidade (Total Capital) registado valor igual ao CET1. Em final de 2014 estes rácios situavam-se, respectivamente, em 18,0% e 19,7%. Aplicando na totalidade as novas normas prudenciais de Basileia III, sem regime transitório, o CET1 e o rácio total seriam ambos de 20,6%.

O produto bancário aumentou para EUR 51,4 milhões (EUR 44,3 milhões em 2014), não obstante a redução das comissões líquidas e outros proveitos. Esta redução foi largamente compensada pelo aumento dos outros resultados em operações financeiras.

Os custos operacionais situaram-se em EUR 12,1 milhões, um aumento face aos EUR 11,0 milhões registados no mesmo período do ano anterior, colocando o rácio de eficiência (cost-to-income) em 23%, um dos mais baixos entre os bancos portugueses. As imparidades registaram uma melhoria, reduzindo-se em 19% para EUR 13 milhões.

Os depósitos de clientes atingiram EUR 637 milhões, mais 6% que os EUR 603 milhões registados no final de 2014. Este valor confirma a tendência positiva dos últimos exercícios, a estratégia de alargamento da base de clientes do Banco Finantia e o fortalecimento da presença da sua Banca Privada, quer em Portugal quer em Espanha.

Os ativos totais consolidados mantiveram-se em nível idêntico, situando-se em EUR 2171 milhões (EUR 2226 milhões no final de 2014).

Em 2015 o Banco Finantia expandiu a sua actividade operacional em diversas áreas mantendo o seu foco estratégico na Banca Privada e nos serviços e actividades de apoio a empresas, nomeadamente: Mercado de Capitais, Trade Finance e Corporate Finance.

O aumento dos depósitos de clientes e de financiamento com colateral (repos) permitiu reforçar a posição de liquidez do Banco e conduziu à redução de 24% do montante utilizado nas operações de refinanciamento junto do Banco Central Europeu.

De acordo com o Ranking 2015 “Top 1000 World Banks” efetuado pela revista britânica The Banker, o Banco Finantia é, de entre os 11 maiores bancos a operar em Portugal, o que apresentou em 2014 rácios mais elevados de solidez financeira e de rentabilidade.