Atividade e resultados do Grupo NOVO BANCO em 2016

Os resultados do Grupo NOVO BANCO refletem o esforço de consolidação operacional prosseguido durante o exercício de 2016, tendo o resultado operacional atingido 386,6M€ (+209% do valor registado no período homólogo do ano anterior que ascendeu a 125,0M€) determinado pela melhoria do produto bancário e pela redução dos custos operativos.

O produto bancário situou-se em 977,5M€ (+11,1% face a 2015) para o qual contribuiu o comportamento do resultado financeiro (+14,2%) e dos resultados de operações financeiras (+25,2%).

Os custos operativos situaram-se em 590,9M€, evidenciando uma redução de 163,8M€ (-21,7%) face ao período homólogo do ano anterior. O comportamento dos custos operativos permitiu a melhoria expressiva do rácio de eficiência, com o Cost to Income a evoluir para 60,4% que compara favoravelmente com 85,8% em dezembro de 2015.

O montante afeto a provisões, no valor de 1374,7M€ representa um acréscimo de 316,8M€ em relação ao ano anterior. As imparidades incluem 672,6M€ para crédito, 315,9M€ para títulos e 98,2M€ para custos de reestruturação.

O elevado nível de provisionamento (1374,7M€) conduziu a um resultado líquido negativo de 788,3M€, o qual compara favoravelmente com o prejuízo de 929,5M€ em 2015.

Em linha com a prossecução do processo de desalavancagem do balanço, especialmente na carteira internacional, o crédito a clientes registou, no exercício de 2016, uma quebra de 3,7mM€ (parte importante relacionada com a transferência para ativos em descontinuação do BESV e do NB Ásia).

No último trimestre do ano o crédito a clientes reduziu-se em 0,4mM€, com o crédito à habitação e o outro crédito a particulares a manterem-se ao nível do registo no final do terceiro trimestre.

No quarto trimestre, os depósitos de clientes apresentaram um crescimento de 0,9mM€, em recuperação face à quebra verificada no início do ano. Ainda assim, o valor de 25,6mM€, registado em 31 de dezembro de 2016 representa uma redução de 1,8mM€ face ao período homólogo do ano anterior (evolução que não foi alheia à retransmissão de obrigações para o BES).

Os objetivos fixados no Plano de Reestruturação foram integralmente cumpridos. Assim, e relativamente a novembro de 2015 (data de referência para efeitos dos compromissos assumidos com a DG Comp no âmbito do Plano de Reestruturação), o número de colaboradores reduziu-se em 1312 (incluindo as atividades em descontinuação), face ao objetivo estabelecido de redução de 1000 a 31 de dezembro de 2016. A rede de distribuição evoluiu para 537 balcões (objetivo: 550 a 31 de dezembro de 2016) apresentando uma redução de 116 unidades. A redução dos custos operativos ultrapassou a meta estabelecida (-150M€ a 31 de dezembro de 2016).

No que se refere ao Side Bank, ou seja, os ativos não estratégicos do Grupo NOVO BANCO, o seu valor era de 8 737M€, líquido de provisões, em 31 de dezembro de 2016 (10 843M€ a 31 de dezembro de 2015).

O rácio de capital regulamentar Common Equity Tier 1 (CET1) estimado para 31 de dezembro de 2016 fixou-se em 12,0% que compara com 13,5% em dezembro de 2015, encontrando-se em linha com os principais bancos portugueses.

 

Publicado em NOVO BANCO.