NOVO BANCO lança novo programa de Igualdade de Género

No âmbito da política de Responsabilidade Social Empresarial e de Sustentabilidade, que
o NOVO BANCO denomina de política de dividendo social, a Comissão Executiva acaba de
lançar um novo programa de Igualdade de Género (#NB Equal Gender), pretendendo
desta forma assumir um papel de referência neste domínio.
Os compromissos agora assumidos no âmbito da igualdade de género vêm ao encontro
dos objetivos estratégicos do NOVO BANCO, que passam pela adoção das melhores
práticas na área da gestão do capital humano, no domínio da motivação e no
desenvolvimento e retenção de talentos. Também neste domínio se lançou o Programa
de Work & Life, programa de conciliação vida pessoal e profissional.
Atualmente, o NOVO BANCO já atingiu a paridade de género no número total de
colaboradores, verificando-se até uma superioridade numérica de colaboradoras
mulheres na faixa etária até aos 45 anos. Todavia verifica-se que o género feminino
mantém-se sub-representado em funções de desempenho de nível superior, tais como
quadros diretivos e funções de chefia (gerentes, chefes de serviço…), essa subrepresentação
verifica-se por apenas 31,8% dos quadros diretivos serem mulheres e esse
número descer para 34% ao nível das direções de primeira linha. Refira-se que nas chefias
abaixo de 40 anos as mulheres já ocupam 55% dos lugares.
O programa de aceleração NB Equal Gender visa garantir um maior equilíbrio em linha
com a base de clientes, o talento disponível e um princípio de meritocracia global.
O Novo Banco espera a breve trecho anunciar uma Comissão Executiva com dois
elementos femininos, num total de 7 elementos, o que representa um peso de 28% e que
acontecerá pela primeira vez na banca portuguesa.
Mas o programa apresenta objetivos concretos. Ao nível dos Quadros Diretivos, o
objetivo é passar o peso do género sub-representado dos atuais 32% para 40% em 2020.
Ao nível de Coordenação de Departamentos, 9 em 39 são hoje mulheres (23,6%) sendo o
objetivo aumentar para 33% a representatividade este nível, até 2020.
Por outro lado, foi também assumido o compromisso de redução do gap salarial,
pretendendo-se anular progressivamente as diferenças salariais que ainda existem entre
géneros em funções desempenho e /ou comparáveis, sendo o objetivo para 2020 um gap
salarial sempre inferior a 5%.

 

Publicado em NOVO BANCO.