Banco Finantia aumenta lucros para 11,7 milhões no primeiro semestre e reforça rácios de capital

O Banco Finantia obteve um lucro líquido consolidado de EUR 11,7 milhões no 1º semestre de 2015, um aumento de 92% face aos EUR 6,1 milhões do período homólogo de 2014.

O Banco reforçou a sua solidez financeira: o Common Equity Tier 1 (CET1) aumentou para 19,1 %, um dos mais elevados do setor, tendo o rácio de solvabilidade (Total Capital) registado valor igual ao CET1. Em final de 2014 estes rácios situavam-se, respectivamente, em 18,0% e 19,7%. Aplicando na totalidade as novas normas prudenciais de Basileia III, sem regime transitório, o CET1 e o rácio total seriam ambos de 20,6%.

O produto bancário aumentou para EUR 51,4 milhões (EUR 44,3 milhões em 2014), não obstante a redução das comissões líquidas e outros proveitos. Esta redução foi largamente compensada pelo aumento dos outros resultados em operações financeiras.

Os custos operacionais situaram-se em EUR 12,1 milhões, um aumento face aos EUR 11,0 milhões registados no mesmo período do ano anterior, colocando o rácio de eficiência (cost-to-income) em 23%, um dos mais baixos entre os bancos portugueses. As imparidades registaram uma melhoria, reduzindo-se em 19% para EUR 13 milhões.

Os depósitos de clientes atingiram EUR 637 milhões, mais 6% que os EUR 603 milhões registados no final de 2014. Este valor confirma a tendência positiva dos últimos exercícios, a estratégia de alargamento da base de clientes do Banco Finantia e o fortalecimento da presença da sua Banca Privada, quer em Portugal quer em Espanha.

Os ativos totais consolidados mantiveram-se em nível idêntico, situando-se em EUR 2171 milhões (EUR 2226 milhões no final de 2014).

Em 2015 o Banco Finantia expandiu a sua actividade operacional em diversas áreas mantendo o seu foco estratégico na Banca Privada e nos serviços e actividades de apoio a empresas, nomeadamente: Mercado de Capitais, Trade Finance e Corporate Finance.

O aumento dos depósitos de clientes e de financiamento com colateral (repos) permitiu reforçar a posição de liquidez do Banco e conduziu à redução de 24% do montante utilizado nas operações de refinanciamento junto do Banco Central Europeu.

De acordo com o Ranking 2015 “Top 1000 World Banks” efetuado pela revista britânica The Banker, o Banco Finantia é, de entre os 11 maiores bancos a operar em Portugal, o que apresentou em 2014 rácios mais elevados de solidez financeira e de rentabilidade.

 

Publicado em BANCO FINANTIA.